Minha foto
Araraquara, São Paulo, Brazil
Graduado em Fisioterapia pela Universidade Paulista. Pós Graduação em Fisioterapia Ortopédica e Desportiva pela Universidade da Cidade de São Paulo. Coordenador do Grupo de Estudos em Postura de Araraquara. –GEP Membro da Associação Brasileira de Fisioterapia Manipulativa- ABRAFIM Membro da Associação Brasileira de Pesquisa em Podoposturologia –ABPQ PODO Formação em RPG, SGA, Pilates, Podoposturologia (Palmilhas para correção de postura), Quiropraxia, Osteopatia Clínica, Treinamento e Reabilitação Funcional, Kinesyo Tape , Wii Reabilitação; Acupuntura Dry Needling.,Mobilização Neurodinâmica, Técnica de Flexão-Distração para Hérnias Lombares. Formação no Método Glide de Terapia Manual. Atualização nas Disfunções de Ombro, Quadril , Joelho e Coluna ( HÉRNIAS DISCAIS LOMBARES E CERVICAIS). CONSULTAS PELO TELEFONE 16 3472-2592

REGRAS DO SITE

OS ARTIGOS CONTIDOS NESTE SITE TEM APENAS O INTUITO DE INFORMAR , POR ISSO NÃO FAZEMOS DIAGNÓSTICOS OU TRATAMENTO PELO SITE E EM HIPOTESE ALGUMA QUEREMOS SUBSTITUIR UMA CONSULTA PARA MAIS DETALHES ENTRE EM CONTATO E MARQUE UMA CONSULTA COMIGO (FISIOTERAPEUTA)OU COM SEU MÉDICO DE CONFIANÇA.

ME RESERVO O DIREITO DE RESPONDER APENAS COMENTÁRIOS COM IDENTIFICAÇÃO E E-MAIL E QUE SEJA PERTINENTE AO CONTEUDO DO SITE( NÃO FAÇO DIAGNÓSTICO OU TRATAMENTO PELA INTERNET).

AS PERGUNTAS SEM E-MAIL EM ANEXO NÃO SERÃO RESPONDIDAS.

AS RESPOSTAS NORMALMENTE NÃO SÃO PUBLICADAS POIS RESPEITAMOS A INDIVIDUALIADE DOS PACIENTES ,CADA CASO É ÚNICO.

Visualizações

terça-feira, 21 de agosto de 2012

MÚSCULO ESCALENOS

Escalenos são três pares de músculos do pescoço, localizada na parte da frente de cada lado do pescoço, apenas lateralmente à esternocleidomastóideo. Existe uma escaleno anterior (escaleno anterior), um escaleno medial (escaleno medius), e um escaleno posterior (posterior escaleno). Eles derivam seu nome dos skalenos palavra grega e os escalenos mais tarde em latim que significa "irregular", semelhante ao triângulo escaleno em


matemática, que tem todos os lados de comprimento desigual. Esses músculos não só têm comprimentos diferentes, mas também uma variedade considerável, seus anexos e arranjos de fibra. Como você vai ver a partir das descrições abaixo, estes músculos estão em um lugar muito cheia e estão relacionados a muitas estruturas importantes, ou seja, os nervos e artérias, que são executados através do pescoço.

Os escalenos são profundas para o esternocleidomastóideo. Todos começam na vértebra cervical e correr para as costelas primeiro ao segundo. O escaleno anterior corre quase verticalmente e sua parte superior é ocultado pela SCM ea parte inferior é ocultado pela clavícula. Ao longo de sua borda medial corre a artéria carótida. A veia jugular interna, o tendão intermediário do omohyoid, o nervo frênico, e as artérias transversais cervical e escapular tudo mentira entre o escaleno anterior eo esternocleidomastóideo (em frente escaleno atrás do SCM) entre o músculo ea clavícula corre o subclávia veia. A parte traseira do músculo, a sua borda posterior, entra em contacto com as raízes dos nervos do plexo braquial, que correm entre ele eo escaleno medial.
Junto com a primeira costela esses músculos formam um triângulo conhecido como o triângulo escaleno ou interescalênica triangle1 através do qual os nervos do plexo braquial e da passagem da artéria subclávia.

Também atrás do escaleno anterior são a pleura do pulmão e na artéria superiores intercostal.

Logo atrás do escaleno anterior é o escaleno médio, referindo-se ao músculo "meio". Este músculo faz parte do piso do triângulo posterior do neck2. A frente do músculo passa perto do plexo braquial e os superiores duas raízes nervosas torácicas a percorre. Ele faz contato com levantador da escápula na parte traseira, e do nervo escapular dorsal e passe artéria cervical transversa entre os dois. A parte superior duas raízes do nervo torácico longo ir através do músculo. Somente o escaleno anterior e medial pode ser palpada. O escaleno posterior é muito mais curta do que as outras duas, e só se inicia na parte inferior da vértebra cervical, onde se liga por meio de duas folhas de três tendinosos. Considerando os dois primeiros anexar à primeira costela, o medius atribui à segunda costela. 1,2,3,4,5,6.7

Alguns textos se referem a um músculo escaleno quarto, o menor escaleno. Esta variante nem sempre ocorre em ambos os lados do pescoço, mas podem estar presentes em até um terço das pessoas. Esta variação normal pode ter implicações em síndromas da saída torácica como faz o escaleno anterior, resultando em uma síndrome conhecida como escaleno anterior Sydrome ou anticus síndrome escaleno (um outro nome para o músculo anterior). O plexo braquial e da artéria subclávia, como mencionado acima, passar entre o escaleno anterior eo escaleno médio. Quando presentes, as inserções minimus entre o escaleno anterior e medius, passando por trás da artéria subclávia, enquanto o anterior escaleno passa por cima e na frente de it.7, 8

Na parte superior dos pulmões é uma membrana a suprapleural, que é uma camada densa fascial também chamado de fáscia Sibson. Esta fáscia é anexado à borda interna da primeira costela e cartilagem costal. A pleura dos pulmões anexar a este fáscia por baixo. A fáscia atribui ao processo transverso da vértebra C7 e quando as fibras musculares são encontradas nele, ele é chamado o músculo pleuralis, que é outro nome para o minimus escaleno. Portanto, esta membrana suprapleural poderia ser considerado como um tendão achatado do minimus escaleno, o que significa que o minimus escaleno está ligado à pleura dos pulmões, ou a cúpula pleural e, em seguida, para além da primeira nervura, encontrando-se por trás do escaleno anterior eo sulco da artéria subclávia. O músculo escaleno é um reforço de fáscia Sibson, que serve para endurecer a entrada torácica e as estruturas do pescoço acima dele, de modo que eles não são "inchado" para cima e para baixo durante respiration.8 forçado

Os escalenos são claramente músculos individuais, mas o trabalho todos juntos, como uma unidade funcional. Eles são geralmente considerados músculos acessórios da inspiração, enquanto trabalham para elevar e fixar as costelas primeiro e segundo, enquanto servia para corrigi-los durante respiração tranqüila, tornando-se cara-fios do pescoço. Pensou-se que eles eram apenas ativo durante trabalharam ou respiração forte. No entanto, a medição da sua actividade com eléctrodos concêntricos agulhas têm demonstrado a sua actividade, mesmo durante a respiração, calma normal, mesmo quando a entrada de ar é muito pequena. Isso fez com que alguns pesquisadores a cair o "acessório" rótulo e considerá-los músculos primários da inspiração.

Durante a respiração diafragmática normal, as costelas são elevados pelos músculos intercostais e os escalenos. A orientação das costelas faz com que eles, quando elevado, para expandir a caixa para os lados da frente e o que aumenta o volume torácico disponível para os pulmões a expandir-se, apesar de a maior parte uma parte desta expansão é para o espaço abdominal que é disponibilizada pela contração do diafragma para baixo. Seu papel exato na respiração é difícil de resolver.

As ações dos músculos escalenos como motores do pescoço e da cabeça são variadamente relatada. Eles estabilizar a coluna cervical contra o movimento lateral. A acção mais comum em movimento que lhes é atribuído de forma unilateral é a rotação contralateral da coluna cervical (rotação da cabeça para o lado oposto do trabalho muscular). Eles também têm sido referidos como sendo rotadores ipsilaterais (rotação de mesmo lado que o músculo de trabalho). Bilateralmente eles são referidos como sendo os flexores do pescoço. A sua acção neste sentido depende se o tórax é fixado ou o pescoço é fixed.1, 2,3,4,5,6.7

Se eles estão sempre ativas durante a respiração ou não, os escalenos pode tornar-se hiperativa em respiração tranqüila em padrões respiratórios parte superior do tórax. Tosse prolongada pode uso excessivo destes músculos, bem como, e eles podem ser especialmente problemático para quem sofre de asma. A dor pode vir de pontos-gatilho miofasciais nos escalenos ou de síndromas da saída torácica aprisionamento associados ao muscles.7

Origins, inserções e Acções
Origens: O escaleno anterior (escaleno frente) se origina nos tubérculos anteriores dos processos transversos da terceira ou quarta para a sexta vértebra cervical.

O escaleno médio (escaleno médio) tem origem nos tubérculos posteriores dos processos transversos da primeira ou segundo-setima vértebras cervicais.

O escaleno posterior (traseira escaleno) atribui, por dois ou três tendões dos tubérculos posteriores dos processos transversos do quinto ou sexto a sétima vértebra cervical (as duas últimas ou três).

Inserções: As inserções escaleno anterior sobre o tubérculo escaleno e crista cranial da costela firt, em frente do sulco subclávia. As médias insere escalenos na superfície craniana da primeira costela, entre o tubérculo escaleno eo sulco subclávia. As inserções posteriores escalenos sobre a superfície exterior da segunda nervura.

Acções: Como acima, a função escalenos como fixadores e elevadores das primeira e segunda nervuras durante a inspiração. Os escalenos anterior e medial elevar a primeira costela eo escaleno posterior eleva a segunda costela.

É geralmente aceite que, agindo de forma unilateral, que flexionar a cabeça para o mesmo lado e agir bilateralmente o flex a cabeça para frente (flexão cervical). Seus papéis como rotadores do pescoço dado de forma diferente por diferentes textos. Alguns relatam que as três escalenos rodar a cabeça para o mesmo lado e algumas relatam que todos eles girá-la para o lado oposto. Alguns relatório funções diferentes para cada escaleno. De acordo com Buford, et al., Um estudo de um único sujeito múltiplo em macacos anestesiados e cadáveres humanos seguimento revelou três músculos rotadores como contralateral da coluna cervical (rotação da cabeça para o lado oposto) .4 Os escalenos também ajudar a lateralmente estabilizar o pescoço, o qual é especialmente adequada para o posterior.7 escaleno

Fontes de Problemas escaleno e acionar pontos
Como dito acima, os hábitos de respiração pode ser a causa de os escalenos sendo sobrecarregados. Aqui está uma lista de possíveis causas de problemas escaleno que pode levar a acionar pontos nos músculos ou a síndrome do aprisionamento neurovascular:
• dificuldade para respirar e / ou respiração peito habitual superior (paradoxal), ou tosse crônica, possivelmente associado com:
◦ hiperventilação nervosa
◦ asma
◦ enfisema
◦ pneumonia
◦ bronquite
◦ alergias
◦ tocando instrumentos de sopro

• hábitos de trabalho e atividades, tais como:
◦ trabalhar por longos períodos com os braços na frente e possível avançar slouched (como em uma mesa)
◦ trabalhar longos períodos com braços acima da cabeça
◦ trabalhar o exige repetidamente levantando e abaixando os braços
◦ transporte de cargas pesadas nas laterais
◦ puxar ou levantar (especialmente com armas como cintura)
◦ remo
◦ natação
◦ cordas puxando como na vela
◦ vestindo uma mochila pesada

• má postura com a cabeça para a frente, slouching cifótica e outros problemas, tais como:
◦ uma perna curta, quando em pé
◦ hemipelve pequena quando sentado
◦ escoliose idopathic

• dormir com a cabeça e pescoço baixo
• trauma de uma dura queda ou acidente de carro, whiplash (também afeta esternocleidomastóideo)

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

PARA QUE SERVE O KINESIO TAPE????

PARA QUE SERVE O KINESIO TAPE????
A Kinesio taping é utilizada como um auxilio externo que tem por função dar estímulos proprioceptivos através da pele alem disso ela não possui princípios ativos que são os medicamentos ela é elástica, fina...e porosa para ter mais aderência com a pele e pode ficar sob a pele vários dias pois ela não sai com a água.

Tem como função diminuir dores

e sensação de desconforto, promover suporte durante a contração muscular, diminui a congestão do fluxo linfático, ajuda nas correções dos desvios articulares, promove auxilio na contração muscular, promove estímulos, aumento da propriocepção. A Kinesio Taping promove estímulos mecânicos duradores e constantes com a pele, além disso, mantém uma comunicação com os tecidos mais profundos através de mecano receptores encontrados na epiderme e derme.



As bandagens são aplicadas sobre o músculo (de acordo com a origem e a inserção) e em envolta deles para dar assistência e suporte prevenindo contrações excessivas, melhorando a amplitude dos movimentos, facilitando o retorno venoso e linfático, com a vantagem de ser utilizada por 24h por dia e até cinco dias com a mesma aplicação, desde que realizado a limpeza correta da pele e boas ancoragens.



Essa bandagem pode ser utilizada em várias áreas como na esportiva onde muitos atletas aderem a técnica e é muito fácil de identificar pelas cores da bandagem, na de reabilitação, na estética, atualmente sendo muito utilizado em hospitais, clínicas, escolas e equipes esportivas profissionais.




Para aplicação da Kinesio Taping procure um profissional que esteja habilitado para fazer a aplicação para não ocorrer nenhum problema com o tratamentoVer mais

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

VENHA SALTAR DE PARAQUEDAS COM A ACADEMIA HEALTH CLUB TOTAL ARARAQUARA EM BOITUVA

VENHA SALTAR DE PARAQUEDAS COM A ACADEMIA HEALTH CLUB TOTAL ARARAQUARA EM BOITUVA CAPITAL DO PARAQUEDISMO LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO

NÃO FIQUE FORA DESTA AVENTURA TENHA UMA EMOÇÃO UNICA NA VIDA

TREINAMENTO DE FISIOTERAPIA EM CONTUSÕES MUSCULARES

TREINAMENTO DE FISIOTERAPIA EM CONTUSÕES MUSCULARES

Contusão muscular é uma lesão traumática direta que corresponde a 60-70% das lesões esportivas. Isso ocorre devido ao contato físico e causa atrito e lesão dos tecidos subjacentes bem como rompimento de capilares, levando ao aparecimento de hematoma, equimose, evoluindo para um processo inflamatório agudo. Sendo assim, após a lesão são comuns o...s sinais e sintomas de dor localizada na realização de movimentos ativos e passivos ou até mesmo sem movimentação, formação de edema, equimose e hematoma devido a resultados de sangramento e limitação de movimento. Com isso, de acordo com a perda da função após a lesão, as contusões podem ser classificadas em leves, moderadas e graves/severas).

Durante o exame físico devem ser observados a presença de outras patologias associadas, alterações de volume, hiperemia, equimose e hematoma. Deve-se ter cuidado com o paciente devido à dor e a limitação de movimentação ativa e passiva, edema e aumento de temperatura local. Para fechar o diagnóstico, podem ser solicitados exames complementares se houver dificuldade durante a avaliação. Geralmente, a depender do grau da lesão o retorno às atividades varia de 13 a 21 dias sendo a patologia tratada corretamente.

O tratamento clínico para contusões é bastante simples, os medicamentos mais utilizados são os esteróides anabolizantes e os antiinflamatórios não esteróides. Ambos aliviam o quadro álgico e a redução da inflamação. Porém, eles podem causar inibição do processo de cicatrização e suprir o estímulo para remodelação celular num longo período de tempo retardando o retorno do atleta ao esporte (LARSON, 2002; HARMON, 2003).

Bom base em pesquisas científicas atuais, foi elaborado um protocolo de tratamento fisioterapêutico de acordo com as fases e com o grau de acometimento muscular. Para isso, foram estudados meios foto-termoterapêuticos e cinesioterápicos sendo adequados a todas as etapas do tratamento desde um atendimento imediato, pois vê-se a necessidade de intervenção fisioterapêutica desde os estágios iniciais para uma resolução mais rápida da patologia.

Como principais recursos fisioterapêuticos, são destacados a crioterapia associada à elevação e compressão, o laser, o ultra-som, os movimentos passivos, isométricos, ativos e intra-articulares, alongamentos, exercícios de cadeia cinética fechada e aberta, além dos exercícios resistidos.

Exame físico

Freqüentemente, o exame físico é o meio mais importante de avaliação do paciente e também serve para descartar outras patologias. A área inspecionada não se deve limitar apenas a lesão e sim a zonas adjacentes para identificar outras possíveis lesões associadas. À inspeção, podem ser observados alterações de volume, hiperemia, equimoses e hematomas. À palpação, deve-se ter cuidado com o paciente devido à dor e a limitação de movimento ativo e passivo, edema e aumento de temperatura local. A marcha estará comprometida a depender do grau da contusão.

Tratamento fisioterapêutico

Numa fase inicial (aguda) em que há hematoma, inflamação, necrose com miofibrilas danificadas e fagócitos, o objetivo do tratamento é minimizar a inflamação e controlar o quadro álgico, através da remoção do hematoma (EITNET, 1989; LARSON, 2002). Deve-se iniciar imediatamente, com a seguinte conduta

- Repouso: para aliviar a dor musculoesquelética e promover a cicatrização é necessário repouso da parte afetada pelo processo inflamatório nas primeiras 24 horas. A área deverá ser repousada de atividades esportivas adicionais até que ela tenha sido recuperada, porém a imobilização completa poderá levar a aderências de fibrilas em desenvolvimento no tecido vizinho, enfraquecimento do tecido conectivo e alterações da cartilagem articular (LIANZA, 1995; KISNER, 1998; MILNE, 2002);

- Elevação: o membro lesado deve ser elevado fazendo com que ocorra uma redução na pressão hidrostática capilar e também uma redução na pressão de filtração capilar, favorecendo ainda o aumento do retorno venoso e linfático, estimulando a absorção do edema. A elevação pode tanto auxiliar na prevenção do aparecimento de edemas quanto na sua reabsorção (RODRIGUES, 1995; EITNET, 1989; MILNE, 2002; PRAY, 2002);

- Compressão: o efeito mecânico e fisiológico da compressão faz com que ocorra um aumento na pressão extravascular permitindo ou auxiliando na reabsorção do edema. A compressão não deve exceder 80% da força tênsil da bandagem quando esta for elástica. Deve-se considerar que a bandagem deve ser semi-rígida e não elástica, pois esta acompanha a distensão provocada pelo aumento do edema (RODRIGUES, 1995; MILNE, 2002; PRAY, 2002);

- Crioterapia: o uso do gelo para o tratamento das lesões agudas em atletas é preconizado pela maioria dos autores. Quando usado adequadamente diminui a quantidade de tecido lesado com a redução da hipóxia secundária; o edema é reduzido, pois com a crioterapia torna o ritmo das reações químicas mais lenta e inibe a liberação de histamina que é um vasodilatador aumentando o fluxo sanguíneo local; o espasmo muscular, a dor e o tempo de incapacidade também são minimizados devidos seu efeito na redução do metabolismo celular e na diminuição da condução nervosa pelos nervos periféricos (EITNER, 1989; KITCHEN, 1998; RODRIGUES; GUIMARÃES, 1998; ANDREWS, 2000; KNIGHT, 2001; LOW, 2001; STARKEY, 2001).

- Laser: quando usado com 3J de intensidade torna-se favorável devido ao efeito antiinflamatório que possui, já que o laser inibe a produção de prostaglandinas (que é um mecanismo similar à inibição produzida por outros antiinflamatórios). Com isto, decresce a potencialização de bradicinina e, por conseqüência, o limiar de excitabilidade dos receptores dolorosos tem sua manutenção favorecida. Há estimulação também da microcirculação, reduzindo assim o edema e o quadro álgico. Outro efeito que o laser apresenta é o da cicatrização, pois ele promove o aumento da produção de ATP, aumentando a velocidade mitótica das células, o que proporciona também melhor trofismo dos tecidos (KITCHEN, 1998; RODRIGUES, GUIMARÃES, 1998);

- Ultra-som: de forma atérmica ou pulsada a 20%, é indicada devido ao aumento da velocidade de cicatrização na fase inflamatória, já que ele aumenta a liberação de mastócitos, macrófagos e neutrófilos, influenciando nas suas atividades e levando a aceleração de reparo das lesões. Há também aumento da permeabilidade vascular aumentando a reabsorção do edema. Estudos demonstraram que a motilidade dos fibroblastos e a velocidade da angiogênese eram aumentadas quando expostas ao ultra-som, aumentando a quantidade de colágeno e sua deposição num padrão tridimensional, assemelhando-se à pele não lesada, favorecendo extensibilidade dos tecidos, que pode ser empregado de forma vantajosa incorporando-se exercícios de amplitude de movimento depois da sua aplicação. Quanto à freqüência, deve-se usar 1MHz (se a lesão for profunda, pois há maior absorção nesta freqüência) e 3MHz se a lesão for superficial. Sua intensidade para lesões agudas e para aumentar a velocidade de cicatrização deve ser igual ou inferior a 0,5W/cm2. A forma contínua neste caso é contra-indicada, pois nesta forma o ultra-som encontra-se na forma térmica, o que pode apresentar um efeito não desejável já que ocorre o aumento do metabolismo que é desfavorável na presente fase (KITCHEN, 1998; STARKEY, 2001);

- Movimentos passivos: devem ser iniciados no tratamento na fase aguda quando tolerado. Eles diminuem as complicações da imobilização, mantêm a integridade e mobilidade funcional e auxiliam no processo de cicatrização. Estes movimentos devem ser específicos para a estrutura envolvida evitando aderência anormais das fibrilas em desenvolvimento aos tecidos vizinhos e evitando futuro rompimento da cicatriz. A intensidade deverá ser leve devido a algia intensa do paciente e para não lesar novamente o tecido (KISNER, 1998);

- Exercícios isométricos: indicado para melhora a força muscular. Deve ser sabido que o seu efeito é mínimo com relação à resistência e à fadiga

- Movimentos intra-articular passivos grau I e II: para manter as articulações com mobilização normal enquanto o músculo começa a cicatrizar e para alívio da dor (KISNER, 1998).

Na segunda fase do tratamento muscular, conhecida como fase de recuperação ou regeneração ou ainda subaguda o principal característica é a proliferação de células satélites e fibroblastos, seguidos da ação de síntese de proteínas. O principal objetivo desta fase é restauração da mobilidade ativa do músculo (EARL, 2002; LARSON 2002).
A conduta consiste em:

- Compressão, elevação e gelo: com o mesmo objetivo anterior (EITNER, 1989; KITCHEN, 1998; RODRIGUES; GUIMARÃES, 1998; ANDREWS, 2000; KNIGHT, 2001; LOW, 2001; STARKEY, 2001; PRAY, 2002);

- Alongamentos leves de contração-relaxamento: essa técnica baseia-se no fato de que após uma contração pré-alongamento do músculo retraído o mesmo irá relaxar como resultado da inibição autogênica e assim será alongado mais facilmente. Os órgãos tendinosos de Golgi podem disparar e inibir a tensão ao músculo permitindo que ele seja alongado com maior facilidade sempre respeitando o limite do paciente (KISNER, 1998);

- Exercícios ativos: a fase subaguda é um período transitório durante o qual os exercícios ativos dentro da ADM livre de dor no tecido lesado podem ser iniciados e progredidos com cuidado, mantendo-os dentro de uma dose e freqüência, os sintomas de dor e edema diminuem a realização desses tipos de exercícios. Eles são utilizados para desenvolver controle dos movimentos além de manter a elasticidade e contratilidade fisiológica dos músculos promovendo a integridade óssea e articular (MILNE, 2002);

- Exercícios de cadeia cinética fechada: utilizados para impor carga inicial à região de modo controlado e para estimular a co-contração estabilizadora nos músculos, além de desenvolver a percepção e controle motor quando o paciente faz transferência de peso lateral ou ântero-posteriormente. Na medida que o paciente evolui pode-se diminuir a quantidade de proteção ou suporte e acrescentar resistência;

- Manter movimentos intra-articulares grau II: com o mesmo objetivo da primeira fase (KISNER, 1998);

- Ultra-som: de forma atérmica ou pulsada só que a 50% com o objetivo de relaxamento para otimizar amplitude de movimento (RODRIGUES; GUIMARÃES, 1998; KITCHEN, 1998; STARKEY, 2001.

Entrando na terceira fase do tratamento muscular sabe-se que a maturação ou remodelação é caracterizada por uma gradual recuperação das propriedades funcionais do músculo incluindo a recuperação de força tensionada do componente tecidual conectivo. O objetivo desta fase é continuar com a mobilização ativa que está restaurando a função total do músculo e da articulação. Exercícios progressivos com resistência são encorajados ao paciente (MILNE, 2002). A conduta se basearia em:

- Alongamento: dando flexibilidade ao músculo trabalhado e também fazendo parte de um aquecimento muscular;

- Exercícios de cadeia aberta concêntrica e excêntrica: para ganho de força muscular;

- Exercícios resistidos: para aumentar força muscular, resistência à fadiga e para otimizar a potência muscular (KISNER, 1998);

- Propriocepção: deve ser iniciada depois de recuperada a amplitude de movimento articular, força, resistência, a flexibilidade muscular e após a redução do quadro álgico com o objetivo de promover segurança adequada ao músculo para que o atleta volte a desempenhar sua atividade esportiva (CORRIGAN, 1992).

Fonte: Site Faça Fisioterapia

REALIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS TERAPÊUTICOS EM CADEIA CINÉTICA ABERTA E FECHADA

REALIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS TERAPÊUTICOS EM CADEIA CINÉTICA ABERTA E FECHADA

Ao longo dos últimos anos, muitos pesquisadores vem trabalhando arduamente para melhorar os programas de tratamento de patologias do membro inferior principalmente aquelas que dizem respeito a biomecânica do joelho.

Uma das grandes discussões da atualidade é a utilização de exercícios
em cadeia cinética aberta ou em cadeia...cinética fechada. O objetivo deste trabalho é fazer uma revisão bibliográfica atualizada sobre a diferença que existe entre programas terapêuticos que utilizam estes dois tipos de exercício.

A controvérsia existente entre estes tipos de terapia é ampla e começa desde a sua definição. Devido a grande quantidade de técnicas terapêuticas, alguns de seus autores tentam definir estes dois termos baseados em suas pesquisas para sua determinada técnica e esquecem da abrangência que estes tipos de exercícios podem ter. Assim, tentamos demonstrar aqui, uma definição que se encaixa no estudo efetivo da biomecânica que é a que se encontra no livro Cinesiologia Clinica de Brunnstrom, na qual em uma cadeia cinética aberta, o segmento distal move-se no espaço enquanto em uma cadeia cinética fechada o segmento distal está fixo e as partes proximais movem-se.

Diversos pesquisadores vem abordando o uso de exercícios em cadeia cinemática fechada para o tratamento de diversas patologias de membro inferior. Este tipo de trabalho vem se tornando muito popular principalmente por se acreditar que, o mesmo, é mais funcional do que exercícios em cadeia cinética aberta. Para Witvrouw e col. (2000), os dois tipos de trabalho tem efeito na melhoria clinica da dor no joelho dos pacientes submetidos aos tratamentos porém, pode ser verificado resultados melhores em termos de funcionalidade nos pacientes tratados com exercícios em cadeia cinemática fechada. Para Augustsson e col. (1998), em seu trabalho realizado com indivíduos sadios constatou uma melhora maior na força muscular em exercícios em cadeia cinética fechada. Para Doucette (1996), os exercícios em cadeia fechada demonstraram um aumento no arco de movimento em relação a flexão de perna maior do que os obtidos com os exercícios em cadeia aberta . Bynum (1995), em seu trabalho de reabilitação acelerada após reconstrução do Ligamento Cruzado Anterior, concluiu que aqueles indivíduos que foram submetidos a um trabalho terapêutico com exercícios em cadeia cinética fechada, apresentaram menos dor na articulação patelofemoral e mais rapidamente retornaram as suas atividades de vida diária inclusive as esportivas.

Em relação a pressão exercida, na articulação, durante a realização destes exercícios, ainda não se tem uma opinião pré estabelecida. Fitzgerald (1997), em seus experimentos afirma que não devemos abandonar de vez os exercícios em cadeia cinética aberta. O que deve ser feito é uma mudança nos dois tipos de exercício para que se possa diminuir o risco de tensão excessiva no Ligamento Cruzado Anterior e o risco de pressão na articulação patelofemoral. Beynnon (1997), acredita que as atividades em cadeia fechada como, por exemplo, o agachamento produzem uma compressão significativa na articulação e não necessariamente protegem o Ligamento Cruzado Anterior. Escamilla e col. (1998), abordam que a tensão no ligamento Cruzado Posterior e a força compressiva nas articulações tibiofemoral e patelofemoral foram significativamente maiores nos exercícios em cadeia fechada e apenas uma tensão no Ligamento Cruzado Anterior estava presente nos exercícios em cadeia cinética aberta.

Outros autores trazem diferenças que acontecem nos diversos feixes de músculos de acordo com o tipo de terapia implementada. Escamilla e col. (1998), através da mensuração de força em um trabalho dinâmico observado pela eletromiografia, foi capaz de afirmar que no exercício em cadeia cinética fechada houve um maior ganho de força nos isquiostibiais e na atividade dos Músculos Vasto medial e lateral, enquanto que o músculo retofemural trabalha mais em atividades em cadeia cinética aberta Para Steinkamp (1993), que trabalhou com indivíduos sadios para saber as diferenças biomecânicas durante exercícios em cadeia fechada (leg press) e em cadeia aberta (extensão simples), percebeu que a pressão na articulação patelofemoral quando anlisados em 0 e 30 graus de movimento era maior quando realizado exercícios de extensão simples (cadeia aberta), enquanto a pressão na articulação quando a angulação de flexão de perna chegava a 60 ou 90 graus era maior no leg press (cadeia fechada).

Através desta revisão bibliográfica, pudemos perceber que ainda há necessidade de se ter maiores pesquisas em relação a melhor forma de abordar terapeuticamente o paciente com lesão em Joelho. Os estudos confrontam funcionalidade e rapidez de tratamento com segurança. A carga de estresse exercida nas articulações desta região anatômica ainda não estão totalmente claras embora, algumas pesquisas, tendam a acreditar que há uma ação maior durante exercícios em cadeia cinética fechada. Em contrapartida, a maioria das pesquisas caracterizam que as atividades em cadeia cinética fechada proporcionam maior ganho de força muscular, maior funcionalidade do segmento e menos dor além de permitir o retorno as atividades de vida diária mais rapidamente

Referências Bibliográficas
- Augustsson, J Weight training of the thigh muscles using closed vs. Open kinetic chain exercises: a comparison of performance enhancement. J Orthop Sports Phys Ther 1998 Jan; 27(1):3-8
- Bynum, EB Open versus closed chain kinetic exercise after anterior cruciate ligament reconstruction. A prospective randomized study. Am J Sports Med 1995 Jul-Aug; 23(4):401-6
- Beynnon, BD The strain behavior of the anterior cruciate ligament during squatting and active flexion-extension. A comparison of na open and closed kinetic chain exercise. Am J Sports Med 1997 Nov-Dec; 25(6): 823-9
- Doucette, SA The effect of open and closed chain exercise and knee joint position on pattelar tracking in lateral pattelar compression syndrome. J Orthop Sports Physical Therapy 1996 Feb; 23(2):104-10
- Escamilla, RF e col. Biomechanics of the knee during closed kinetic chain and open kinetic chain exercises. Med Sci Sports Exerc 1998 Apr;30(4) 556-69
- Fitzgeralg, GK Open versus closed kinetic chain exercise: issues in rehabilitation after anterior cruciate ligament reconstructive surgery. Physycal Therapy 1997 Dec;77(12): 1747-54
- Steinkamp, LA e col. (1993) Biomechanical considerations in patellofemoral joint rehabilitation. Am J Sports Med 1993 May-Jun; 21(3):438-44
- Witvrouw, E e col. Open versus closed kinetic chain exercise for patellofemoral pain. A prospective, randomized study, Am J Sports Med 2000 Sep-Oct; 28(5):687-94

Fonte:
Faça Fisioterapia